sábado, 29 de novembro de 2008

AVALIAÇÃO... classificatória ou formativa!?

O segundo módulo da interdisciplina me fez pensar, mais uma vez, sobre a avaliação escolar, considerada por muitos – educadores, pais e alunos - um verdadeiro “bicho-de-sete-cabeças”.

O texto base Organização Curricular da Escola e Avaliação da Aprendizagem destaca que a concepção de avaliação também deve ser debatida, discutida e estabelecida na construção do PPP pela comunidade escolar - Pais, Professores, Alunos e Funcionários. Além disso, aponta o currículo e a avaliação da aprendizagem escolar como faces indissociáveis de uma mesma moeda, que ocorrem simultaneamente.

AVALIAÇÃO CLASSIFICATÓRIA: caracteriza-se pela aplicação de instrumentos como questionários, provas, trabalhos escritos em geral, em períodos regulares (final de cada mês, bimestre ou semestre) com o objetivo de verificar a quantidade de informações que os alunos assimilaram naquele período, classificando-os em escalas de notas ou de conceitos tratados como se fossem notas. É uma concepção intensamente questionada, mas ainda utilizada por muitos professores.

AVALIAÇÃO FORMATIVA: preocupa-se com o processo de aprendizagem dos alunos ao longo do desenvolvimento curricular e ocorre por meio do seu acompanhamento, com o objetivo de reorientá-los a cada dificuldade encontrada. Possibilita uma intervenção imediata no processo de aprendizagem, permitindo que o currículo em desenvolvimento seja reconstruído durante o processo, comprovando sua natureza dinâmica no atendimento das necessidades dos alunos.

MINHA REALIDADE:
Na escola em que atuo, a avaliação considera o processo de aprendizagem ao longo do desenvolvimento curricular. Acontece através de um acompanhamento centrado nos progressos dos alunos e a troca de informações entre os professores, equipe de apoio e familiares é constante – não apenas trimestral. Isso agiliza as intervenções necessárias, que visam o bem-estar dos alunos e seu pleno desenvolvimento físico, afetivo e cognitivo.


Finalmente, cito uma definição que explicita o caráter formativo da avaliação, com a qual concordo plenamente:

A avaliação é uma das atividades que ocorre dentro de um processo pedagógico. Este processo inclui outras ações que implicam na própria formulação dos objetivos da ação educativa, na definição de seus conteúdos e métodos, entre outros. A avaliação, portanto, sendo parte de um processo maior, deve ser usada tanto no sentido de um acompanhamento do desenvolvimento do estudante, como no sentido de uma apreciação final sobre o que este estudante pôde obter em um determinado período, sempre com vistas a planejar ações educativas futuras. (FERNANDES. FREITAS. 2007, p. 47)

Um comentário:

Fabi - Tutora da Sede - Semin.Integ. IV disse...

Oi Cris,

As vezes penso que esta questão - da avaliação - nos "assombrará" por toda a eternidade, embora já tenhamos avançado muito na minha modesta opinião... podendo avaliar o aluno ao longo de seu desenvolvimento escolar.
Este bicho-de-sete-cabeças talvez seja fomentado maneira como alguns professores dimensionam a avaliação. Enfatizam tanto a questão da prova (criam quase um circo) que acabam assustando e abalando o lado psicológico dos menos preparados emocionalmente...
Acredito que uma pequena reforma "geral" associado a um pouco de bom senso por parte dos professores, já ajudaria bastante a questão da superação em provas classificatórias.

:-)

Um abração,
Fabi